Metal na Lata

Solid Rock Festival – Allianz Parque, São Paulo/SP (10/11/2018)

judaspriest_aliceinchains_blackstarriders_2018
Compartilhe

Solid Rock Festival 2018
Bandas: Judas PriestAlice in Chains e Black Star Riders
Local: Allianz Parque, São Paulo/SP
Data: 10/11/2018
Produção: T4F

Texto e fotos por Mauro Antunes
Edição e tratamento de fotos por Johnny Z.

Sábado de tempo bom em São Paulo é sempre sinônimo de festa para o povo paulistano. Enquanto do outro lado da cidade, na Zona Leste, Corinthians x São Paulo duelavam pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, no outro extremo da cidade, na Zona Oeste, a Arena Palmeiras recebia um mega evento com 3 bandas de altíssimo nível e com vertentes bem variadas do Rock/Heavy Metal. Os veteranos britânicos do Judas Priest foram os headliners, mas precedidos por bandas do naipe do Alice in Chains e Black Star Riders.

O Allianz Parque possui uma estrutura de primeiro mundo. Toda a estrutura de comida e bebida (com preços salgados), sanitários em boas condições, outras opções de entretenimento como um ambiente simulando o palco de um show, algo muito legal para uma família guardar uma foto de souvenir, bebedouros disponíveis, enfim, tudo o que um evento desse porte necessita para ser um sucesso.

O Black Star Riders entrou um pouco adiantado em relação ao horário de 18:25hs que estava programado. Para quem não os conhecia, a apresentação dos caras é como uma verdadeira viagem no tempo, quase um Thin Lizzy cover. Não é a toa que dois de seus integrantes também pertencem à lendária banda irlandesa (sim, eles estão na ativa) como Ricky Warwick (vocal e guitarra), Scott Gorham (guitarra). Completam a formação o baixista Robbie Crane (ex Ratt), o baterista Chad Szeliga (ex Black Label Society) e, temporariamente, o guitarrista da banda inglesa Thunder, Luke Morley. A fórmula é a mesma da clássica banda irlandesa fundada pelo saudoso Phil Lynott no final dos anos 60. E com referência e currículo o bastante, qualquer fã que se preze iria curtir o show. Foram 8 faixas que abrangem os 3 álbuns de estúdio da banda e dois dos maiores clássicos do Thin Lizzy: “Jailbreak” e “The Boys Are Back in Town”. Uma pena que o show foi curto, senão talvez pudéssemos esperar mais clássicos como “Massacre” (já gravada pelo Iron Maiden) ou “Whiskey in the Jar” (já gravada pelo Metallica). De qualquer forma, conversei com muita gente e todos se empolgaram com o show e com o carisma dos veteranos.

Setlist Black Star Riders:

Bloodshot
All Hell Breaks Loose
Jailbreak (Thin Lizzy cover)
The Killer Instinct
Heavy Fire
Before the War
When the Night Comes In
The Boys Are Back in Town (Thin Lizzy)
Kingdom of the Lost
Bound for Glory

Mudando completamente a fórmula musical, mesmo alguns colocando-os como parte do movimento grunge de Seattle que varreu o planeta Rock entre o final dos anos 80 e metade dos anos 90, o Alice in Chains subiu ao palco aproximadamente as 19:40hs. Confesso que me impressionei com o frontman William DuVall: parece que ele assumiu esse posto a mais de 20 anos tamanha a sua desenvoltura e performance. Não é fácil substituir um vocalista talentoso como Layne Staley. Por sua vez, o líder, fundador e principal compositor Jerry Cantrell segue ligeiramente discreto no palco, mas eficiente em sua função de guitarrista. Todos (ou quase) todos os principais clássicos “Man in the Box”, “We Die Young”, “Them Bones”, “Would?”, “Down in a Hole”, “Angry Chair” e “Rooster” estiveram no setlist e quem acompanha e gosta da banda, não teve do que se queixar. DuVall assumiu seu posto em 2006 a após 3 álbuns de estúdio lançados depois, parece mesmo ter sido uma ótima escolha feita por Cantrell e o baterista Sean Kinney. Dentre as faixas mais recentes, destaque para a pesadíssima “Check My Brain” e a ótima “Hollow”. Quem curte a banda, certamente curtiu o show, mas como a imensa maioria dos presentes estavam ansiosos pelo Judas Priest, o saldo final foi positivo, porém sem aquela interação com o público. Afinal, Judas Priest e Alice in Chains possuem estilos inteiramente distintos.

Setlist Alice In Chains:

Check My Brain
Again
Never Fade
Them Bones
Dam That River
Hollow
Down in a Hole
No Excuses
We Die Young
Stone
Angry Chair
Man in the Box
The One You Know
Would?
Rooster

Após uma pequena pausa, o grande momento chegou: Judas Priest! E quando o riff inicial de “Firepower” foi ao ar, as luzes se apagaram e o culto aos deuses do Heavy Metal começou. Apesar de ser quase um setentão, Halford parece um novato no palco, com uma energia digna de um Metal God. Um momento especial foi ver ao vivo um hino que muitas vezes é esquecido mesmo pelos fãs mais extremos. Trata-se de “Sinner”, um tesouro vindo do álbum “Sin After Sin” (1977). Outro ponto importante foi ver o guitarrista Richie Faulkner assumir uma posição de destaque no palco. Sem Glenn Tipton, Faulkner chamou a atenção por ser o fiel escudeiro do frontman Rob Halford, já que Andy Sneap, encarregado de substituir o insubstituível Glenn Tipton (guitarra) e o sempre tímido nos shows, Ian Hill (baixo), sempre (ou quase) ficaram na retaguarda deixando os holofotes brilharem sobre a outra dupla. Aliás, Sneap provou que não é só apenas um dos melhores (senão o melhor) produtor de Heavy Metal do planeta, como também fez com excelência a função de substituir o ícone Tipton nas seis cordas.

O momento mais marcante do show foi ao final do hino “Freewheel Burning”, uma homenagem a um ídolo do esporte brasileiro e mundial, o grande Ayrton Senna. O estádio quase veio abaixo, um momento ímpar do show. Após outro hino, “You’ve Got Another Thing Comin’”, Halford entrou no palco com uma Harley Davidson para a execução de “Hell Bent for Leather”, uma tradição nos shows do Padre Judas. A moto permaneceu no palco até o final do show. Daí pra frente, foram só clássicos e o público correspondeu transformando o estádio num verdadeiro caldeirão. Uma pena a banda ter esquecido um de seus maiores hinos, “Victim of Changes” que é daquelas que na opinião desse redator, nunca poderiam ficar fora dos shows. O show acabou por volta das 23:15hs e a saída do estádio ocorreu de forma tranquila para todos.

Essa foi daquelas noites difíceis de esquecer. Que nossos ídolos tenham força e continuem na ativa por muitos anos, já que sua relevância para o mundo da música pesada é imensurável. JUDAS É METAL! JUDAS É VIDA!

Agradecemos a T4F pela parceria e credenciamento.

Setlist Judas Priest:

Firepower
Running Wild
Grinder
Sinner
The Ripper
Lightning Strike
Desert Plains
No Surrender
Turbo Lover
The Green Manalishi (Fletwood Mac)
Night Comes Down
Guardians / Rising from Ruins
Freewheel Burning
You’ve Got Another Thing Comin’
Hell Bent for Leather
Painkiller
The Hellion / Electric Eye
Breaking the Law
Living After Midnight


Compartilhe
Assuntos

Veja também