Metal na Lata

InfiNight – “Fifteen” (EP) 2017)

19149273_894721660668119_8748837905907188619_n
Compartilhe

InfiNight – “Fifteen” (EP) (2017)
Independente
#HeavyMetal#PowerMetal#ThrashMetal

Nota: 10

Sempre me disseram que quando se escreve uma crítica, deve-se iniciar com os aspectos negativos e deixar o melhor para o final. Então vamos começar pelo lado negativo do EP, só tem 4 faixas! Pronto vamos falar dos aspectos positivos.

Nas quatro faixas é possível reconhecer inúmeras influências, sem se tornarem, ou usarem, clichês, por exemplo, em “Throught The Endless Night”, faixa que abre o EP, existe aquela aura Judas Priest, entretanto não espere ouvir “Painkiller” nesta faixa, a influência está presente, mas não é como cópia. Começou bem!

“For The Crown” traz a aura Manowar, na sonoridade e um pouco nas letras, mas sem necessidade de entoar “…hail, hail, hail and kill…”. Guitarras em notas pesadas e sustentadas, o vocal agressivo, a batida que não te dá chance de parar a cabeça, que teima em banguear, como se tivesse vida própria. Lindo isso!

“Here To Conquer” (aqui é uma versão “leve” de uma faixa “filhadaputescamente” pesada em outro álbum da banda), que a princípio me deixou muito puto por ser uma música acústica e que “quebra” (ou diminui) o andamento do EP, mas que ouvindo mais atentamente percebi que a melancolia na linhaIced Earth que se faz presente, serve de introdução, por assim dizer, para os riffs da fantástica mistura Queensrÿche com Megadeth em “Goodbye II (This Cruel World)”, que me arrepia a cada vez que toca.

Ao escrever esta resenha, descobri que a banda já tem 3 álbuns completos, meus pêsames para mim, que não conheci antes esta banda, e se o próximo álbum vier com a mesma energia que há neste EP, teremos um grande candidato a disco do ano. Mal posso esperar para ouvir o que mais a banda tem a oferecer. E começar a caçar o material da banda, haja bolso!

Me assombra não terem uma gravadora! Certeza que este EP vai ficar um bom tempo no meu player. Escute o som neste vídeo abaixo e tire tuas próprias conclusões.

Divirta-se!
Mauro B. Fonseca

Compartilhe
Assuntos

Veja também